Páginas

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Papa Francisco, Nossa Senhora Aparecida e ativistas feministas

Três notícias desta semana chamam a atenção... eu postei as fotos e comento rapidamente uma a uma.


Um abraço cura. Cura carência de afeto humano, mas também dá uma certeza de que Deus, abscondido aos sentidos, é próximo de nós. O abraço ajuda curar as feridas da alma, mas também dá aos homens a certeza de que não são animais irracionais. Se o abraço carrega em si uma gama de sentidos tão vasta, não deveríamos nos furtar a abraçar com o amor de Cristo, a exemplo do Papa Francisco, aqueles que precisam de cura. Sim, o cristianismo é uma religião de cura. Porém, não como se propagandeia a "cura rápida" das seitas neopentecostais. É uma cura que envolve o homem todo: inteligência, vontade, liberdade, razão e sentimento.



De repente a pessoa viu o óbvio: a imagem é apensa de gesso. É como no Gênesis em que depois do pecado Adão e Eva vêem apenas o óbvio ululante: eles estavam nus. No entanto, a morte de que o Senhor lhes falara era de uma outra espécie, era a morte eterna da alma que se condena ao inferno. Do mesmo modo que esses jovens não puderam ver o que não era óbvio: Que este vilipêndio externa seu ódio interior, sua agressividade incontida, sua raiva desmedida contra a mãe de Deus, não contra aquela imagem em especial, mas, contra a Mãe do Salvador e isto é muito pior que destruir uma mera imagem de gesso.


No filme "O Senhor dos Anéis. As duas torres" há uma cena interessante. Rei Théoden pergunta a Aragorn: "O que podem os homens contra um ódio tão violento?" Em seguida, mostra a sanha dos orcs e uruk-hais (monstros) que queimam, pilham, destroem. O filme é belíssimo e mostra a feiura do mal. Como essas moças carregadas de ódio contra a Igreja. Os orcs continuam pilhando, queimando e destruindo que é belo e bom pelo simples prazer de destruir. Não é que queiram destruir para se colocar outra coisa melhor no lugar. Mas para que impere o nada, o vazio, o niilismo. É assim que é o mal: feio, violento, invasivo, intolerante, carregado de ódio.